quinta-feira, 23 de outubro de 2008

6 comentários:

Bandys disse...

Daniel,
Deixo um pensamento pra voce, obrigado pelas suas lindas palavras
beijos

Vou abrir minha casa
Para que você entre.
Tome um café com bolo,
Me conte de você,
Permita que eu ria seus risos,
E deixe que eu seque suas lágrimas,
Se preciso for.
Você não é apenas um nome
Que se esconde atrás de um arroba,
Você tem alma
E asas,
Como os verdadeiros anjos.
Você tem um "eu"
Que precisa e deve
Ser respeitado,
Que precisa e deve
Ser amado.
De virtual, na verdade,
Você não tem nada.
Meu café não tem sabor
E meu bolo não é doce,
Quando virtual,
Mas meu carinho
E meu amor
São nessa rede toda,
Tudo o que tenho de mais real.
Então...
Entre sem bater,
Sente-se
Tem café, bolo
E minha amizade
Esperando por você
Atrás da tela
Desse meu computador

Renata Maria Parreira Cordeiro disse...

Daniel:
Tudo o que lhe posso dar é o que está escrito no meu novo post que a ti dediquei, além de dedicá-lo a outro alguém. Apareça.
Um beijo, Renata

Mariana disse...

Que o seu final de semana seja tão gostoso qto um morango com chantilly.
Um beijo

Mariazita disse...

Meu caro Daniel
Achei este texto interessantíssimo.
Não fazia a mínima ideia de como tinha "nascido" o Círculo de Leitores, de que também fui sócia durante alguns anos.
Obrigada por mais este punhado de cultura.
Beijinhos
Mariazita

Renata Maria Parreira Cordeiro disse...

Daniel:
Aquele soneto não é da Florbela Espanca, é meu. Só peguei um mote dela "duas meninas rútilas e de oiro". É preciso ler com atenção, e olha que eu escrevi com letras grandes e não com letras pequenas para ninguém ler.
Obrigada pela presença no Blog.
Um abraço,
Renata Cordeiro

Renata Maria Parreira Cordeiro disse...

Daniel:
Aquele soneto não é da Florbela Espanca, é meu. Só peguei um mote dela "duas meninas rútilas e de oiro". É preciso ler com atenção, e olha que eu escrevi com letras grandes e não com letras pequenas para ninguém ler.
Obrigada pela presença no Blog.
Um abraço,
Renata Cordeiro