sexta-feira, 14 de novembro de 2008

RECORDAÇÃO

Vou contar um segredo
Sentia frémito, suave vibração
Quando fui guardador de patos
Com a manada ia para o Val Medo
Ninhadas do tipo marrecos *
A mãe sempre criava
Em procura no ciclo da carôcha **
Do guardador porfiava
Na imensidão do campo
Guardar agradava
O mar em frente
No princípio do Verão
Os patos deglutiam o molusco
Com sofreguidão
O pastor olhava patos e vastidão
Podia entregar-se às nostalgias
Muito comuns então
Sonhava com outro mundo
O eterno desconhecido
Seria melhor de antemão
Aquele não o sentia cruel, não
Seria como um universo de papel
Ali andavam os patos
Não se cansavam
Sempre direitinhos
Engordavam como calmos gaiatos
Pareciam gostar da gamela
Muito juntinhos
Não precisavam de trela
Até que valiam vinte paus
Comprava-os o regateiro ***
O que, na sua carroça
Aparecia primeiro
O guardador ainda criança
Saberia ser feliz…
Agora, talvez um bom petiz!...

Daniel Costa

NOTAS:
* Raça de patos comuns
** Chama-se assim à caracoleta no concelho de Peniche
*** Corresponderia ao almocreve



25 comentários:

Val Du disse...

Recordar realmente é viver.
Você me fez lembrar de uma época muito boa de minha vida, quando eu era criança.

Um beijo.

Marco Rebelo disse...

tenho q provar a caracoleta d conselho de peniche :)

Círculo Literário disse...

Excelente poesia..De rica descrição!!
Traz um misto de sabor da infância!!
Agradecemos sua visita!!!
Até!!

Anja Rakas disse...

Ora..não podias ter contado esse segredo no meu ouvido?????
Hehehhe
Beijão

Carlos II disse...

Passei por aqui.

Melhorou a minha cultura penicheira.

Um abraço
Bom fim-de-semana.

Carla disse...

está a felicidade muitas vezes nas coisas simples
beijos e bom fim de semana

VANUZA PANTALEÃO/OBRA LITERÁRIA disse...

Daniel, vim até aqui para te desejar um bom final de semana e me deparo com essa maravilha, esse bucolismo, os patinhos...os patinhos que também relembro no sítio dos meus pais. Ah! Daniel, não me faças chorar com tantas lembranças!
Beijos

Laura disse...

guardador de patos, na imensidão das terras longiquas, sonhando foste crescendo e vivendo, aprendendo e dali a ser homem um passo... e conseguiste levar a vida, mas eras tu o pastor, ou? e se fosses mais valias como ser humano...beijinhos da laura e nem sabia que eles comiam o que pescavam. ehhhhh..

Lisa disse...

Aqui tb há momentos agradáveis ...

Desejo maravilhoso final de semana pra ti...

Grande beijo no teu coração...

Bandys disse...

Daniel,

Poxa que coisa legal guardados de patos
lembrar a infancia
Isso é muito bom.

Um final de semana cheio de paz e amor pra voce.

beijos

vero disse...

olá meu amigo,
passei para te ler uma vez mais :)

Beijinhos

Laura disse...

daniel; meu pai me comprava daquelas histórias de tamanho pequeno, tenho pena de não lembrar a editora e toda a coleção...tinha muitas muitas, pois ele queria que eu aprendesse a ler e tivesse gosto pela leitura, e bem tenho... e lembro-me de uma, o sagredo da pata real, a historia do guardador de patos,e assim vieram à baila as lembraças queridas e saudosas... beijinhos e comias broinha, azeitonas, um naco de presunto se houvesse, um peixinho frito,cebola crua era? tadinho, como tenho pena que tenha sido assim, mas naquele tempo a vida funcionava assim e as escolas eram muito longe de casa...

Cadinho RoCo disse...

Que experiência maravilhosa a de estar exposto ao espontâneo agir da natureza em meio à quietude da paisagem.
Cadinho RoCo

Marco Rebelo disse...

obrigado pelo seu comentario daniel.espero q tenha votado na sondagem :) mais uma vez obrigado.
abraço

VANUZA PANTALEÃO/OBRA LITERÁRIA disse...

Nem tanto otimista, meu caro Amigo!
Mas tá dando pro gasto...obrigada!!!Beijinhossss

EternaApaixonada disse...

*****

Amigo Daniel,

devido as chuvas minha internet se acovarda... risos...
Hoje o sol brilha e cá estou!
Que seu fim de semana esteja correndo bem tranquilo, com muita alegria!
Mais um lindo poema a nos encantar!

Beijos

*****

jo ra tone disse...

Pata aqui
Pata ali
Pata acolá
Daniel a guardar patos,
foi coisa que nunca vi.
Recordas -te desta?
Abraço

Ana Martins disse...

Linda recordação, concerteza faz parte de uma infância feliz.

Gostei muito, beijinhos

Desnuda disse...

Ahh, que delícia de poesia! Ao mesmo tempo, vai formando-se na minha mente as imagens.... Adorei!


Beijos e ótima semana, amigo

LuzdeLua disse...

Que linda postagem
Passando por aqui, deixo-te um abraço amigo. E bons desejos para a semana que se inicia.

Tens tua vida em tuas mãos...
És o arquiteta/o de teu próprio destino,
Faça de teu caminho algo realmente divino!
(Karla Bardanza)
Bjs

EternaApaixonada disse...

*****

Querido amigo,
a poesia faz a alma vibrar sempre!
Sim, sou apaixonada pelos poetas portugueses, tenho minhas preferências por Florbela e Sophia, que tanto nos encantam ainda! Fernando Pessoa e seus heterômios, minha escolha sempre!
Não consigo ficar longe daqui...
Beijos para um domingo especial!

*****

Cadinho RoCo disse...

Os patos, tal como fazemos,vão e voltam e busca de alimento e movimento proposto pela vida. Mas por não sermos patos, exigimos mais da paisagem que nos cerca. Só não sei se assim conseguimos preservar em nós a paz que os patos sugerem possuir.
Cadinho RoCo

Liz / Falando de tudo! disse...

adoro patos...aqui na França a gente come muitooo!
Boa semana!

poetaeusou . . . disse...

*
patos ?
os patos "construtivos"
e sabidões, ou
dos outros que para aí andam,
a servir de escada a meros
patarecos, que pavões já são ?
,
um abraço
,
*

raimunda disse...

Parabéns, sempre escrevendo lindos poemas.