sexta-feira, 12 de setembro de 2008

LISBOA CAFÉ - 16

RUA DE SANTA MARTA

A dezanove do mês terceiro do ano de setenta, do simbólico e certa maneira marcado, pelo cumprimento dum sonho antigo, sem elevada dose de convencimento, o João Moisés deu entrada ao trabalho de uma grande empresa, instalada em enorme casarão, da artéria de Lisboa, paralela à Avenida da Liberdade, do lado nascente e à direita de quem sobe, a RUA DE Santa Marta.
O nome tina uma certa antiguidade e laborava para todo o Portugal de Aquém e Além - Mar em África, razão porque era invejavelmente popularizado, até porque estava na onda clerical, conhecida em todas as paróquias, o que fazia irradiar um ar de reverência que, se bem verificado, a firma estava a ficar muito desactualizada e fora de caminhos tendentes ao progresso empresarial.
Vejamos: Administrativamente, pretendia chegar a essa modernidade, o que só podia ser alcançado com sangue novo, em toda a linha, o que procurava com Administrador e Director Comercial, mais secção de publicidade, tudo novidade.
Continuavam, contudo os reinados com “reizinhos” e freiras a deter o comando em sectores, onde por atrasados no tempo, ou por puro boicote a novas directivas ultrapassavam-nas, ao serviço de interesses mesquinhos e pessoais, de há muito instalados, fazendo ruir toda e qualquer ordem de progresso, inerentes a uma empresa de vanguarda como pretendia ser e o que anunciava na insistente publicidade.
Assim inexoravelmente, com a inovação a chegar, o colosso empresarial afundava-se mais, com os custos das então novas tecnologias a tornarem a viabilidade enganosa, como o eram as campanhas de publicidade que, em conjunto iam tendo lugar.
Logo no dia de apresentação, João Moisés imediatamente observou o logro em que tinha caído, pois aceitara um insistente convite.
Não tinha de se arrepender, ponderar apenas!
Tinha tomado a opção errada ao aceitar o convite de pessoas, que conheciam bem as boas condições em que trabalhava e não obstante!...
Decididamente, a União Gráfica não poderia oferecer o que tentava preparar em vão.
De um moderno gabinete, saltara para uma espécie de vão de escada, da cadeira rotativa passara a trabalhar de pé, de poder visionar qualquer obra ao vivo, em qualquer fase de execução no próprio local, por onde tivesse de passar, tinha de se limitar a ser informado por um telefone interno.
Simplesmente, era-lhe vedado o trabalho oficinal, o que dificultava o acompanhamento, tal como conviria aos executantes e era sabida a habilidade para sonegar as informações necessárias, a fornecer aos clientes, afinal o motor da existência da fábrica, para quem nem havia respeito.
Com estruturas estabelecidas em velhas rotinas, o boicote era a condição oficinal numa sociedade onde a reivindicação era proibida e que só o estatismo podia ser notado, como poder de força invisível.
Pois bem!...
O caminho tinha sido tomado, serviria de asas para novos voos!...
- Imediatamente, se iniciaram medidas para novo salto. A força de vontade, o poder negocial, algum talento e até a juventude ajudariam!...
- Em vão, os dias passavam, verificava-se que os tempos eram outros. A integração fez-se, como se tudo se apresentasse correcto. Houve depois também a previsível melhoria de instalações, embora sempre deficientes e o interesse em conhecer mais, aquele estranho mundo gráfico, acentuou-se com o desejo de crescente preparação.
Agora, já havia instalações, de certo modo, dignas para receber e atender clientes, logo na entrada do edifício e enquanto seguia a procura de um novo rumo, efectuava-se a adaptação.
Aquele era mesmo um espaço diferente, os clientes diferentes, não se repetiam, mas no fundo gostavam do bom acolhimento, tal como fora sempre aprendido pelo João Moisés, pareciam agradados!...
Podiam detectar-se duas espécies de trabalhadores, os mais antigos a procurar a situação de ruptura, face à tentativa de modernização, eram os coitados!
E outros, que se mostravam agradados de ver gente a indiciar nova era.
Verificava-se algum rejuvenescimento, havia já um interessante “lobie” constituído por elementos vindos do Dafundo, a abarcar diversos sectores, que procurava fazer evolucionar o sistema.
Entretanto, começava o serviço de relações públicas a trazer alguma satisfação e interesse, e recordavam a João Moisés, o modo como gostava de ver o universo do trabalho gráfico.
Bastantes obras estavam a passar pelo departamento, inclusivamente algumas de carácter menos ortodoxo, religiosamente falando e olhado a Senhora Dona Censura, já que a gráfica era de pertença e inspiração católica e ali evolucionava, em missão de trabalho, um alto censor de nomeação estatal, para questões da Fé.
Trazer impressa, o que era de lei, a origem da União Gráfica seria a garantia perante o público, que podia descansar por não cometer algum sacrilégio, mergulhando em leituras menos comuns.
Acompanhando variados trabalhos, é grata a recordação de um livro editado pela Câmara Municipal de Sesimbra, com o planeamento da edição a cargo do seu autor, Rafael Monteiro.
O livro ficou com a designação: “A VERDADE Sobre os Limites dos Concelhos de SESIMBRA, ALMADA E SEIXAL”. Rafael Monteiro seria um funcionário, assim a modos, que avulso… fazia muitas coisas, apresentava-se modesto por natureza e sem pretensões qual asceta culto. Seria remunerado à tarefa.
Dedicava-se muito à investigação arqueológica, levando a cabo várias escavações em sítios, como o do Mosteiro da Arrábida.
Era também muito interessado no estudo do esoterismo.
Tornou-se um bom amigo, confiante em quem, internamente, acompanhava a execução da obra, João Moisés.
Já este tinha sido obrigado a deixar a União Gráfica e… finalmente, o livro saiu!...

- Dedicatória:
- O livro “esperado” e gralhado… Agradece a colaboração “Técnica”, lamentando que não fosse até final”
(Assinatura – Rafael Monteiro)

Daniel Costa – in JORNAL DA AMADORA

21 comentários:

Mac Adame disse...

Mais um belo pedaço de prosa. Cumprimentos.

jo ra tone disse...

Daniel,
este texto faz partede "Sociologia das Organizações", que terminei antes destas férias.
Trabalhadores... novas instalações e tecnologias...
Muito bem

Laura disse...

Ah, uma bela noite e um feliz acordar...me vou para os braços de Morfeu...tô que nem ensonada d etanta festarola organizar, mas acho que saiu tudo bem..haja quem tome conta das coisas que festas todos querem...
Como no teu trabalho num vão de escada e sem cadeira, arre!...

Ana Martins disse...

Mais um excelente trabalho.

Gosto dos seus escritos.

Bom fim de semana, beijinhos

mundo azul disse...

Gostei de vir aqui ! Obrigada pela ótima leitura...


Beijos de luz e o meu carinho!!!

Pelos caminhos da vida. disse...

Boa leitura,e obrigado por visitar o meu blog.
Bom fim de semana.

beijooo.

Avid disse...

Bela prosa. Gostei imenso da leitura.
Bjs meus

Marta disse...

Continuas a deliciar-nos com as tuas crónicas sobre uma outra Lisboa...
Obrigada pela visita e pelo comentário...
Acho que também vais gostar da minha nova escolha...
Beijos e abraços
Marta

Laura disse...

Tão? boa noite, e vimd eixar beijinho cheio de carinho pró mei miguinho que veio cansadod a efsta..pudera tanta comida e tudo pitéus destalar, olha o colesterol...
Viste a danada da soledade? essa menina é um perigo ao pé do pessoal, não pára de fazer das suas e de se rir e nos fazer rir, mas que achado... Beijinhos.

Cadinho RoCo disse...

O tempo vindo à memória cria rota para a história.
Cadinho RoCo

Bandys disse...

Daniel,
Estou pássando pra te da um beijo

bjs

xistosa - (josé torres) disse...

A história que a história não conta, de outros tempos, velhas eras.

"Dos fracos não reza a história ...!"

Um bom fim de semana.
E que o próximo não saia com os "Bichos"-aves, da família dos corvédeos - as gralhas!

Renata Maria Parreira Cordeiro disse...

Por motivos horríveis que não pude contornar, fui obrigada a fazer um post cala-boca. Pegue suas flores, não é preciso ler tudo.
Um abraço,
Renata
wwwrenatacordeiro.blogspot.com

VANUZA PANTALEÃO/OBRA LITERÁRIA disse...

Daniel, milagre nessa madrugada!
Lisboa, "velha" e sempre esotérica cidade...Domingo chegando por aqui, mas não posso deixar de comparecer aqui para te desejar um bom domingo!!!Bjs

São disse...

Gostei.
Bom domingo.

poetaeusou . . . disse...

*
e a saga continua . . .
,
grato amigo,
,
saudações
,
///

quanto pesa o vento? disse...

gosto de te ler.
muito bom.
abraço e boas escritas.

Sandra Daniela disse...

Mais uma bela crónica! Parabéns!

bom domingo

Maria Laura disse...

Pedaços de vida. Crónicas de leitura muito agradável.

mariam disse...

Olá!
João Moisés... a História, dentro da estória...
bom voltar aqui...

cheguei das abençoadas férias, voltarei aqui de novo para ler os outros posts...

bom resto decfim-de-semana
um sorriso :)

mariam

Laura disse...

Que risota lá no resteas, mas que chiqueirada lá ficou da festa de ontem. Ji grande de até amanhã..laura..